*Gil Elvgren* – O Pai das Pin-ups

*Gil Elvgren*

Demorei para escrever este post porque estava com uma dúvida cruel: Por onde começar, ou melhor, com quem começar as postagens sobre os grandes artistas de pin-ups? Por ordem alfabética de nome? Por décadas de publicação dos trabalhos? Acabei optando em começar seguindo o meu gosto. Por isso, vou começar pelo meu preferido (e com certeza de muitos), o mestre Gil Elvgren.

Elvgren foi sem dúvida um dos maiores artistas dos Estados Unidos e do mundo, não só como ilustrador de pin-ups, mas também como publicitário e artista comercial. Seu nome de batismo era Gillete A. Elvgren, mas é como Gil que ficou conhecido. Nasceu em 15 de março de 1914 em St.Paul, Minessota e antes de entrar na Acadêmia Americana de Artes Plásticas quase se formou arquiteto.

Gil se transformou em um grande artista e referência até os nossos dias. Seu período de atividade foi de 1930 até 1970, produzindo durante este período, mais de 500 ilustrações. Como publicitário teve vários clientes, incluindo a Coca-cola e a General Eletric, além de ilustrar várias revistas como a   The Saturday Evening Post. Suas ilustrações para os famosos calendários também são bem conhecidas. O artista faleceu no dia 28 de fevereiro de 1980, deixando uma obra magnífica.

As mulheres ilustradas pelo mestre são lindas, com aquela cara de sapeca e muito sedutoras também. Elvgren foi o artista que mais conseguiu passar a essência da ingênuidade e da sedução das pin-ups.

Ele retratou as belas em várias situações inusitadas: Presas em cercas, tomando banho, na praia etc. Temos a pin-up dona-de-casa, a professora, marinheira, a motorista, a gênia, sempre com aquela cara de: “Opssss” e o biquinho vermelho que já conhecemos. Seu trabalho é muito detalhado, desde a composição do cenário até os detalhes das roupas. Gil Elvgren também era um notável fotógrafo. Ele tirava fotos de suas modelos e depois fazia as pinturas, apenas incrementando alguns detalhes.

*Janet Rae, uma das modelos preferidas de Gil Elvgren*

Não tem com não apreciar os belos trabalho, tão delicados e fofos de Elvgren! Elas servem de inspiração para a estética retrô e adoramos elas.

Realmente temos que agradecer ao querido Elvgren pelos grandes trabalhos que nos deixou para que nós, seres do século vinte e um, possamos apreciar esta beleza pura e ao mesmo tempo tão insinuante.

Published in: on 17 de janeiro de 2010 at 4:52 am  Comments (1)  
Tags: ,

*Snoopy* – Mestre em Pin-ups

*Tattoo By Snoopy*

No último post sobre tatuagens eu disse que faria um post especial sobre as lindas tatuagens de pin-ups lembram? Pois é, estou cumprindo a minha promessa! As tatuagens com os desenhos de pin-ups são maravilhosas, mas claro que só se forem feitas por alguém que sabe o que está fazendo. Então, para mostrar um pouco da sua arte, e mostrar o que é uma pin-up bem feita, escolhi meu querido tatuador, o “Snoopy”. Ele com certeza está entre os melhores tatuadores do país e vocês verão o porquê!!! Acompanhem a entrevista que fiz com ele:

*O Querido Snoopy*

* Miss Little Cherry: Há quanto você tempo trabalha com tatuagem e como começou?

* Snoopy: Trabalho com tatuagens há mais de 20 anos. Comecei como ajudante de estúdio da Medusa (hoje em Brasília) fazendo pequenos serviços pra ela, e foi ela tamém que  fez a minha primeira tatuagem aos 13 anos…na época foi um presente de aniversário da minha mãe.

*Pin-up By Gil Elvgren*

*Tattoo by Snoopy*

* Miss Little Cherry: Como foram os primeiros trabalhos de pin-ups?

* Snoopy: Sou fascinado pelo corpo e expressões femininas, curto muito desenhá-los. As pin-ups são uma extensão deste trabalho. As primeiras pin-ups levavam horas a fio e muitas sessões para serem realizadas devido aos detalhes e as dimensões dos rostos mãos e, a cada uma que fazia, ia depurando e aprimorando minha técnica. Já fiz tantas e de tantos estilos que perdi a conta mas os melhores trabalhos sempre são as do grande mestre Gil Elvgren, que tem uma riqueza na execução das pinturas incríveis o que torna a reprodução destes trabalhos um grande desafio.

*Pin-up de Gil Elvgren*

*Tattoo By Snoopy*

* Miss Little Cherry: Quais são as principais dificuldades para tatuar pin-ups?

* Snoopy: As dificuldades são muitas pois são desenhos que parecem ser simples mas exigem muita atenção e disciplina na hora de tatuar. São desenhos geralmente com muita sombra e luz e uma infinidade de cores e tons. Deve-se ficar bem atento a isso e ter muita paciência para a realização. Gosto de fazê-las quando estou bem-humorado e relaxado. Como tenho uma procura grande por este tipo de trabalho, é sempre bom estar bem para fazer o melhor.

* Miss Little Cherry: Como você definiria o seu estilo de tatuagem em relação às pin-ups? Tem algum detalhe que você costuma colocar nos seus desenhos?

* Snoopy: Num faz pergunta difícil (risos). É complicado falar de estilo, pois estou sempre tentando aprimorá-lo, a reprodução é uma arte complicada pois você tem que tentar reproduzir o que o artista da obra quer passar mas da sua maneira e sem fugir a ideia original. Danylo Stefan faz muito bem isso. Ele tem um estilo próprio, todo cheio de hachuras. O meu estilo entra acredito eu no clássico, uma aplicação bem carregada e com degrades bem suaves, o que torna o trabalho mais leve pelo fato de eu ser um tatuador mais antigo mas com técnicas um pouco mais apuradas. Tenho que fazer isso para manter o nome no mercado não pelo tempo de trabalho, mas sim pela qualidade dele. É difícil acompanhar o pessoal mais novo que não tem “vícios” de trabalho. Minha geração teve que aprender muita coisa na marra e na pancada, não tínhamos informação, material decente e criamos muitos desses vícios que, com o tempo, não conseguíssemos fazer com que as características dos trabalhos mudem.

Procuro sempre diferenciar ou marcar meu trabalho com fundos das mais variadas cores e que façam destacar o tema principal. Acrescento um brilho aqui, uma sombra ali, abaixo ou aumento os tons de pele, chego ate mesmo a mudar o tom, mudo a cor do cabelo, da roupa qualquer coisa que faça o trabalho “mudar” do original sem perder suas características e originalidade.

*Tattoo By Snoopy*

Bom, sempre quis tatuar uma pin-up, mas tinha medo de como pudesse ficar, já que é um trabalho tão difícil de fazer. Depois que uma amiga me apresentou o Snoopy, e depois de ver o seu trabalho, criei coragem.

Foi muito difícil de escolher, pois todas as pin-ups do mestre Elvgren são lindas. Optei por esta, pois além de ser maravilhosa, adoro bruxas:

Ainda faltam pequenos detalhes, mas olhem como minha tattoo ficou linda! Me apaixonei por ela!!! Fizemos algumas modificações para que fosse única.

*Minha Pin-up By Snoopy Tattoo

Contatos:

Orkut Perfil I

Orkut Perfil II

MySpace 

Fotolog

Published in: on 12 de janeiro de 2010 at 5:02 am  Comments (2)  
Tags: , , , ,

De onde vieram as *Pin-ups*

*Pin-up de Gil Elvgren*

O termo “pin-up” começou a ser utilizado no início da década de 1940 nos Estados Unidos, mas elas já existiam desde o início de 1900. As pin-ups são mulheres retratadas em jornais, revistas, calendários e pôsteres de forma sensual, mas nunca vulgar.

As pin-ups ficaram famosas no período da segunda guerra mundial, pois exerciam um grande fascínio nos soldados americanos. Eles costumavam carregar fotos e recortes de revistas de belas mulheres, os quais pregavam nas paredes e armários, daí o nome “pin-up”, que em uma tradução aproximada significa “pregar na parede”.

Elas são mulheres belas e sedutoras, que expressam sua sensualidade de forma sutil e ingênua. Podem ser modelos e atrizes ou musas desconhecidas que servem de inspiração para os artistas, que geralmente as retratam através da pintura, desenhos e ilustrações, como as famosas propagandas americanas das décadas de 1940 e 1950. Muitos artistas ficaram conhecidos pelos trabalhos que faziam referentes às pin-ups: Gil Elvgren, Alberto Vargas, George Petty, Art Frahm, Enoch Bolles, Earl Moran, Peter Driben, Billy Devor, Zoe Mozert, são apenas alguns deles. Posteriormente pretendo dedicar posts a esses artista, aguardem!

As pin-ups habitam até hoje o imaginário masculino, despertando várias fantasias. O erotismo sutil das pin-ups é irresistível. Na minha opinião, o segredo está justamente na sutileza e na insinuação: A cinta-liga que sempre dá um jeito de aparecer, a saia que prende em algum lugar sem que se perceba, objetos que caem das mãos, biquinhos fofos insinuando beijos e sorrisos maliciosos, tudo complementado por batons vermelhos, saltos altos, lingeries e um corpo bem definido, mas que prefere mostrar as lindas pernas com um vestido, os seios com um belo decote e a cintura que sempre está bem delineada. O estereótipo de beleza das mulheres nessa época era muito mais charmoso do que nos nossos dias onde, para ser bonita, tem que ser magra e sem curvas. Não, definitivamente eu prefiro as belas pin-ups!!! O termo “Cheesecake” também é bem conhecido dentro da estética pin-up. A palavra Cheesecake serve para se referir a uma fotografia, mas uma foto especial, a mulher retratada geralmente é a Cereja do bolo.

*Pin-up de Enoch Bolle*

É importante ressaltar que as ilustrações de pin-ups tiveram seu auge em uma época (entre as décadas de 1930 e 1950) onde a sociedade era muito puritana. Não estou querendo dizer que eles não faziam ou eram contra o sexo, mas a sociedade em geral (principalmente a americana) recriminava tudo o que se referisse ao sexo. Foi o que aconteceu com Elvis Presley, que teve de ser filmado da cintura para cima em programas de TV, porque o seu “rebolado” era considerado indecente ou com Betty Page, que foi parar nos tribunais por causa das fotos de “Bondage”. Então, as mulheres não apareciam peladas em revistas ou calendários, tudo era insinuado e nunca explícito.

Com a liberação sexual das décadas seguintes, as pin-ups perderam o brilho e foram destinadas ao limbo. Quem queria ver os detalhes que elas mostravam enquanto o nu era uma constância nas grandes mídias como as revistas?

*Pin-up de Art Frahm*

Neste novo século elas voltaram com força total. Viraram inspiração para estilistas, coleções de moda de grandes redes Prêt-à-porte, para cantoras e atrizes, para ensaios de modelos etc. Está havendo uma re-leitura das belas moçoilas. Mas precisamos esclarecer alguns pontos:

A pin-up atual é uma mulher moderna. As transformações

*Kat Von D*

sociais influenciam e muito dentro da nova estética. As mulheres possuem hoje em dia muito mais direitos e deveres do que na década de 1940, por exemplo. Independentes, elas trabalham, estudam, cuidam dos filhos, mas continuam sendo mulheres que adoram um bom salto e um belo batom vermelho. Hoje, além da áurea de inocência e sensualidade, também expressam sua liberdade. Muitas são modificadas, como Kat Von D, musa tatuadora que se inspira na estética pin-up em suas tatuagens e no modo de vestir. As tatuagens, os alargadores e piercings são muito mais aceitos do que em décadas passadas, onde quem usava tatuagem ou era marinheiro ou presidiário. Tudo preconceito sem crédito né? O número de mulheres tatuadas cresceu consideravelmente nos últimos anos.

Mas, como a maioria das coisas caem no gosto popular e viram cultura de massa, somos obrigados a ver absurdos espalhados por aí, já que o estilo retrô é o “must” do momento. Muitas pessoas fogem do conceito original das pin-ups e acham que só porque usam uma saia rodada ou um vestido de polka-dots podem se considerar uma. Tudo vira moda e você vai cansar (se não cansou ainda) de ver por aí: cerejas, poás, sapatinho boneca, saia godê, tomara que caia e tantas outras referências de vintage que viraram moda. O problema não é as pessoas usarem ou apreciarem o estilo. Ótimo, você verá pessoas muito mais bem vestidas por aí, com certeza. O problema são as vítimas da moda que insistem em passar algo que não são. Tenho me deparado com absurdos como ensaios de “Mulher Melancia”, “Scheila Carvalho” e “Adriane Galisteu” vestidas de pin-ups e fazendo biquinhos. O pior é ler os textos onde elas afirmam que sempre foram fãs da estética pin-up! Me poupem do ridículo!!!

*Pin-up de Alberto Vargas*

Bom, o importante é que as pin-ups sempre continuarão como inspiração para quem vê nessa estética um modo de vida e não apenas uma modinha passageira! Como diz o ditado: “Nada se cria, tudo se copia”. Mas vamos fazer isso com estilo e bom gosto sempre.